Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My Books News

My Books News

Ler o livro - Ler o Mundo

Ódio que Semeias, de Angie Thomas

"The Hate U Give Lil’ Infants Fucks Everyone" - Tupac Shakur

 

Já li o Ódio que Semeias, de Angie Thomas há algum tempo, mas senti-me bastante inepta para fazer uma resenha que lhe fizesse justiça. É um livro magnífico que teria merecido o National Book Awards, para o qual foi nomeado.

 

No Ódio que Semeias, Starr Carter é uma jovem de 16 anos, afro-americana, que se divide em dois mundos: o seu bairro predominantemente negro e o colégio que frequenta, maioritariamente branco. Essa divisão, não é meramente geográfica, mas identitária.

 

O trailler do filme, retrata essa cisão de forma exemplar:

 

Starr Carter assiste ao assassínio do seu colega por um polícia. E depois à colisão dos seus mundos, à luta da sua comunidade pela sobrevivência e à luta de um mundo por um status quo sustentado na injustiça.

 

A conversa

Um dos momentos mais chocantes do livro, para mim, é o aquele que retrata a conversa de um pai negro com os seus filhos, sobre como interagir com polícias, de modo a sobreviver.

Viver assim, É uma violência.

E aqui estamos nós. 2020. As notícias mostram homens encorajados a caçar, assassinar e a filmar um homem negro que fazia jogging. Corpos negros e castanhos a ser abatidos dentro das suas casas, por razão nenhuma, excepto o facto de ser de cor.

 

Não fui capaz de ver o vídeo da morte de Ahmaud Arbery . Também não vi o vídeo filma a morte de George Floyd, mas hoje já li que a autópsia exclui asfixia e estrangulamento, atribuindo a causa de morte a "condições de saúde preexistentes, incluindo doença coronária e hipertensão".

 

A impunidade e a criminalização da vítima é igualmente retrada por Angie Thomas. E pelas notícias diárias. Em 2020.

 

Este livro, entre outros, coloca-nos na perspectiva de uma pessoa de cor, que tem de se adaptar a um mundo "branco", para viver/sobreviver.

Por isso, ler diversamente é tão importante, porque nos permite um vislumbre sobre outras vidas, outras realidade, outras dificuldades.

Talvez esses vislumbres possam criar um pouco de compreensão, um pouco de empatia.

 

É também por isso que me resguardo tanto de livros como American Dirt que utilizando as narrativas de minorias, não fazem mais do que perpetuar estereótipos danosos. Esse é o dano de valorizar esse tipo de vozes e silenciar outras.

Por isso, nos livros e fora deles,

Black Lives Matter

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

SCRIBD - 1 mês grátis para mim e 2 para vós

Se decidirem fazer uma inscrição grátis no SCRIBD, poderiam utilizar o meu convite? Eu receberei 1 mês grátis e a/o convidada/o receberá 2 meses grátis, em vez dos habituais 30 dias grátis.https://www.scribd.com/g/62ck8b