Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My Books News

My Books News

Ao meu filho (Gilead) - Marilynne Robinson

image.jpg


 



Ontem à noite disse-te que posso ir desta vida um dia destes, e tu disseste Para onde, e eu disse Para estar com Deus, e tu disseste, Porquê, e eu disse, Porque sou velho, e tu disseste, Não acho que sejas velho. E puseste a tua mão na minha e disseste, Não és muito velho, como se isso resolvesse a questão. 



 


É assim que começa a obra que venceu o prémio Pulitzer para ficção em 2005. 


 


Jon Ames é um reverendo nascido em 1880, filho e neto de reverendos que em 1956 (aos 76 anos) começa a escrever uma carta para o seu filho de apenas 7 anos, com as suas memórias, sabendo que se encontra doente e no final da sua vida e com a consciência de que não irá acompanhar o crescimento do filho. 


 



Lamento não ter quase nada para te deixar a ti e à tua mãe. Uns poucos livros velhos que mais ninguém havia de querer. Nunca ganhei dinheiro que se visse e nunca prestei atenção ao dinheiro que tinha. A coisa mais distante do meu pensamento era que fose deixar mulher e um filho, acredita. Teria sido melhor pai se o soubesse. Teria guardado alguma coisa para ti. 


 



A preocupação de Jon Ames com a situação em que deixa ambos é bastante evidente, assim como a preocupação em deixar um retrato fiel de quem foi, quem foram as suas relações e do que a vida tem para oferecer. 


 



A minha vida não se compara com a do teu avô. Obtenho muito mais respeito do que mereço. Isto parece bastante inofensivo na maior parte dos casos. As pessoas querem respeitar o pastor e eu não interfiro com isso. Mas desenvolvi uma grande reputação de sabedoria por encomendar mais livros do que alguma vez tive tempo para ler. E por ler de longe mais livros do que aprender neles alguma coisa útil, excepto é claro que alguns senhores muito enfadonhos escreveram livros. Isto não é nenhum novo entendimento, mas a verdade disto é uma coisa que é preciso experimentar para apreender completamente.


Graças a Deus por todos eles, sem dúvida, e por aquele estranho intervalo, que foi a maior parte da minha vida, em que li por solidão e em que uma má companhia era melhor do que nenhuma companhia. Pode-se gostar de um maus livro por ser infeliz, ou pomposo, ou bilioso, se tivermos esse apetite esfomeado pelas coisas humanas que eu desejo ardentemente que nunca venhas a ter.



 


 Na página 61... completamente apaixonada.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

SCRIBD - 1 mês grátis para mim e 2 para vós

Se decidirem fazer uma inscrição grátis no SCRIBD, poderiam utilizar o meu convite? Eu receberei 1 mês grátis e a/o convidada/o receberá 2 meses grátis, em vez dos habituais 30 dias grátis.https://www.scribd.com/g/62ck8b