Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Feira do Livro... do Porto

29.05.24

Não precisam que vos diga que está a decorrer a Feira do Livro de Lisboa. Como sou de Gaia, quanto a esse tópico, voltamos a falar em Agosto.

O homenageado desde ano será Eugénio de Andrade.  

Eu adoro Eugénio de Andrade e tive a sorte de apanhar uma série dos seus livros, inconfundivelmente brancos, da editora portuense Editorial Inova, numa loja solidária.

IMG_20240529_182234_095_LL.jpg

IMG_20240529_182239_938_LL.jpg

IMG_20240529_182251_142_LL.jpg

Infelizmente, a beneficiária do presente, nunca chegou a abrir os livros. E eu sei disso, porque o topo das páginas ainda está unido, como era habitual em algumas publicações antigas.

 

Sê paciente; espera

que a palavra amadureça

e se desprenda, como um fruto,

ao passar o vento que a mereça.

 Eugénio de Andrade

 

Ponto de cruz livrólico

29.05.24

Everand (ex-Scribd, com período experimental de 30 dias) é uma excelente fonte de livros de manualidades, caríssimos e quase inexistentes, em Portugal. 

Já tinha guardado este título do BookRiot, mas ainda não o tinha visto. Agora, já está na minha lista de afazeres prazenteiros. 

ponto de cruz3.JPG O único senão deste livro é não ter link para os gráficos. Por isso, só é possível fazer os projectos mais simples.

Infelizmente, a citação de José Luis Borges, não é um deles.

ponto de cruz.JPG 

ponto de cruz4.JPG

Mas não terei qualquer dificuldade em fazer este:

ponto de cruz2.JPG

 

Tornar-se Palestina - Lina Meruane

29.05.24

Retornar. Este é o verbo que me assalta toda vez que penso na possibilidade da Palestina. Digo para mim mesma: não seria um regresso, apenas uma visita a uma terra em que nunca estive, da qual não tenho uma única imagem própria. A Palestina sempre foi para mim um rumor de fundo, uma história a qual recorrer para salvar da extinção uma origem compartilhada. Não seria um retorno meu. Seria um retorno emprestado, um regressar no lugar de outro. De meu avô. De meu pai. 
Mas meu pai não quis pôr os pés naqueles territórios ocupados. Só se aproximou da fronteira. Uma vez, do Cairo, dirigiu os olhos já velhos na direção leste e os manteve por um tempo no ponto distante onde a Palestina poderia estar situada.

 

Pág. 1/5