Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Eu e os audiobooks

31.01.21

Janeiro destacou-se por ser o mês em que mais livros ouvi. Não me recordo de ter dado tanta primazia aos audiolivros.

Mas eu não comecei a ouvir audiolivros apenas com o Scribd.

Primeiro foram as cassetes e, se a memória não me falha, o primeiro audiolivro foi o Blind Assassin da M. Atwood.

Depois foi o Atonement do Ian McEwen, também em cassetes.

Tornei-me compradora de audiolivros da Naxos, mas quando comecei apertar a carteira, optei pela LivriVox.

E chega o advento do digital com o Audible e o Scribd.

Sim, a minha relação com nos audiolivros já é longa.

Diário de leituras 31.01.2021

31.01.21

Estou muito feliz com o meu Janeiro literário.

Finalmente li duas séries que há muito desejava ler. Na verdade, ouvi porque só tive acesso a estes livros através do Scribd (obrigada).

E a experiência de audição foi fantástica.

Porém, ao contrário do que parece ser a generalidade das pessoas, eu não consigo estar a ouvir livros e a fazer outras coisas. Quer dizer, talvez uma caminhada, se não fosse o confinamento.

 

Li Contos de Dorothy Parker, como um livro de humor para o Ler os Clássicos 2021, mas a "lendária pelo seu humor" (contracapa) não conseguiu esconder a tristeza das suas histórias.

 

Janeiro foi um mês de recuperar o meu mojo literário.

Tal foi o efeito positivo, que escolhi para o meu clássico europeu (#lerosclássicos2021): Os Miseráveis (continuação).

 

É também a escolha perfeita para o desafio literário "If You Got It, Read It": Leia um livro que apesar de ter há tempos, não se descarta dele.

 

Se até ao final do mês, não o terminar ou não gostar dele, vou libertar o espaço na estante. Bye, bye, Hugo.

Human Cost Of Our Cheap Goods - Amelia Pang

30.01.21

cover201293-small.png

In Made in China, investigative journalist Amelia Pang pulls back the curtain on Sun’s story and the stories of others like him, including the persecuted Uyghur minority group whose abuse and exploitation is rapidly gathering steam. What she reveals is a closely guarded network of laogai—forced labor camps—that power the rapid pace of American consumerism. Through extensive interviews and firsthand reportage, Pang shows us the true cost of America’s cheap goods and shares what is ultimately a call to action—urging us to ask more questions and demand more answers from the companies we patronize.

 

Inspiração

No-Waste Composting de Michelle Balz

30.01.21

Não estaria a ser rigorosa, se também não falasse de como uso os livros como fonte de informação para o meu dia-a-dia.

E um dos temas em que há cerca de um ano comecei a interessar-me, é a vermicompostagem (As minhocas).

Por isso, quando o No-Waste Composting da Michelle Balz, apareceu no NetGalley, aproveitei para o ler.

cover211002-medium.png

Michelle Balz, a autoproclamada @compostgeek, é uma compostora de longa data com uma paixão por reduzir nosso impacto no planeta.


Ela já havia escrito um livro chamado Composting for a New Generation e tem um blog chamado Confessions of a Composter.

 

Este pequeno livro revelou-se um ótimo ponto de partida para a compostagem em espaços pequenos, dentro e fora de casa.

Tem 10 projetos de DIY (com fotos) para reaproveitar utensílios domésticos em compostadores.

 

Para mim, foi uma interessante fonte de informação para vários tipos de compostagem, muitos deles desconhecidos para mim.

Muitas vezes, encontro este tipo de livros que pecam por ser demasiado básicos ou demasiado técnicos. Mas o No-Waste Composting pareceu-me bastante equilibrado e realmente ampliou minha compreensão da compostagem.

Pág. 1/9